Manifesto do Comércio

Manifesto do Comércio

O ABSURDO
Como pagar impostos sem poder trabalhar?

Muitos Estados e Prefeituras fecham nossos negócios, em algumas cidades por mais de 6 meses, e nos obrigam a pagar impostos. E as multas para quem não paga, mesmo estando fechados, são absurdas. É o caso de cobranças de IPTU e ICMS, por exemplo. Milhares de lojas já quebraram e milhões de empregos foram extintos.

A tortura continua. Estão matando o comércio aos poucos.

Não aceitamos mais funcionar parcialmente. Temos que operar plenamente. Não dá para trabalhar continuamente com prejuízo. Não é possível um negócio com ocupação de 30%.

Um comerciante trabalha um mês para pagar as contas do mês seguinte! Mesmo quando aberto, com tamanhas restrições, ele trabalha com prejuízo. Setores inteiros nos serviços estão quebrando, impedidos discricionariamente de praticar sua atividade.

Já foram adotados protocolos de operações e ações rígidas e eficazes para evitar aglomerações. Promovemos campanhas de conscientização sobre os cuidados com a saúde. Apelamos para que a vacinação seja acelerada. Ainda assim, há diferenças de tratamento injustificáveis: certas atividades não essenciais foram autorizadas a abrir, enquanto outras, também não essenciais, foram fechadas.

Meio aberto e meio quebrado! É necessário acabar com esse “abre e fecha” insustentável para qualquer atividade. Milhões de pessoas perderam seu trabalho. E tudo isso por incompetência de setor público, notadamente na área de saúde, em que já vinha em condições críticas e foi agravada pelo fechamento de hospitais de campanha construídos em 2020.

Precisamos que governantes parem de usar a pandemia como plataforma política. É preciso estancar a crise social. Precisamos de medidas e programas de assistência a empresas e empregados.

A fome e o desemprego também matam!

30 milhões
de brasileiros estão desempregados

15 milhões
de empregos ainda dependem do comércio

25% do comércio
quebrou e não volta mais

#naoaceitamosnovosfechamentos

Veja a publicação no Jornal O Globo de 14 de maio de 2021: http://bit.ly/ManifestodoComercio